Tudo o que você precisa saber sobre a vida

Mesmo que a gente não se conheça pessoalmente, ou que eu não saiba o que está acontecendo com você nesse exato momento, tenho certeza de que existem algumas coisas, hoje, que você gostaria de saber sobre a vida. E sobre a sua vida.

Algumas coisas sobre as quais você ainda não tem a clareza que gostaria de ter.

A autora Louise Hay tem uma afirmação que eu gosto muito, que diz: “Tudo que eu preciso saber será revelado a mim na sequência perfeita de tempo-espaço”.

Isso, basicamente, quer dizer que, se você ainda não sabe o que gostaria de saber, é porque ainda não é a hora de você saber.

E, muitas vezes, ainda não é a hora porque você ainda não está preparado. Ou você não está prestando atenção suficiente. Ou você está com seu foco em outras coisas menos importantes.

Às vezes, nós não temos clareza porque nós colocamos muitas distrações nas nossas vidas. 

E depois ficamos fazendo mimimi porque não temos clareza. O que só atrapalha ainda mais o universo de se comunicar com a gente, porque o universo não consegue se comunicar quando a gente está fazendo mimimi. 

Comece essa semana se perguntando o seguinte:

O que eu gostaria de aprender essa semana? 

Depois de decidir sobre o que você gostaria de aprender, se pergunte – e seja muito honesto na resposta:

Que tipo de distrações estou colocando na minha vida, hoje, e que podem estar me atrapalhando a atingir a clareza que eu gostaria? 

Emails demais, tempo demais gasto no Facebook, Twitter, Instagram, Pinterest, ou outras mídias sociais, seriados, novelas, milhões de sites de curiosidades e coisas “emocionantes” abertos no seu navegador, álcool demais, drogas demais, comida demais, o que mais está distraindo você?

De novo: o que você gostaria de aprender nos próximos dias? 

Agora elimina as distrações e se permita aprender o que, lhe garanto, o universo está louco pra te ensinar.

 

Quer viver uma vida com mais propósito? >> www.pesv.com.br

 

Um exercício para começar o dia com o pé direito

O poeta sufi Rumi dizia: “A manhã tem coisas para te ensinar. Não volte a dormir.”

Logo que você acorda, você ainda está bastante em contato com o universo e com sua própria sabedoria interior (que, no fundo, são a mesma coisa!).

Essa é a hora em que você deve aproveitar que as suas crenças negativas e limitantes ainda estão dormindo para se programar com pensamentos positivos.

Isso porque uma crença nada mais é do que um pensamento que você continua pensando, repetidamente, com muita intensidade e por muito tempo.

E se você consegue fazer isso com os pensamentos negativos, que se transformam em crenças limitantes, a boa notícia é que você também consegue fazer com os positivos, que podem se tornar crenças que fortaleçam a sua caminhada.

De hoje em diante, todos os dias, assim que acordar, por um minuto inteiro pense apenas em coisas boas, de alta vibração.

Se algum desses pensamentos fizer você se sentir bem, durante o seu dia pense mais nele, fale sobre ele, escreva sobre ele (no seu Caderno do Eu, se você estiver participando do Programa Escolha Sua Vida!), porque isso vai fazer com que o momento se propague por todo o seu dia.

Pratique esse exercício diariamente e observe os resultados. Se puder, me mande um e-mail contando como foi.

Quer mais? Inscreva-se no TREINAMENTO GRATUITO com os 10 passos para você criar uma vida e um trabalho com Propósito. Pra receber o treinamento e não ficar de fora, inscreve seu email em www.pesv.com.br

O passeio de bike que mudou a minha vida

Ano passado, comprei uma bike elétrica. Já fazia mais de um ano que não andava de bike e, da última vez em que andei, havia tombado no meio da rua com Davi junto e tudo.

Então, você pode imaginar que eu não estava me sentindo a mais segura no mundo no dia de buscar a bike e andar com ela por dois bairros até chegar na minha casa.

Naquele dia, passei a manhã inteira observando todo tipo de pensamentos loucos da minha mente sobre a aventura de ir buscar a bike, tendo chegado ao cúmulo de tentar adiar a retirada pro dia seguinte (de que adiantaria, né?). Não funcionou, eu teria mesmo que ir naquele dia.

De repente, me dei conta de que aquele era um desafio para o qual eu devia olhar como costumo olhar pra qualquer outro desafio, e como costumo ajudar meus clientes e leitores a olhar pros desafios deles.

Parei por um momento os pensamentos desencorajadores – o mais forte deles era a lembrança da queda um ano antes – e comecei a buscar na memória outros desafios que eu tinha vencido recentemente, como atravessar o deserto do Saara, ou passar uma semana na India com apenas duas mudas de roupa, em silêncio absoluto.

Levantei, fui buscar a bike e, depois de algum tempo, estava em casa sã e salva, com a sensação de desafio vencido, a satisfação que só quem faz aquilo que há pouco considerava “impossível” sente.

Pense no maior desafio na sua vida nesse momento. Que tipo de pensamento você tem tido sobre ele? Esses pensamentos estão lhe ajudando? 

 

Se pergunte, agora, em que outros momentos da sua vida você foi tão corajoso, ou forte, ou inteligente, ou rápido, ou confiante, ou qualquer outra característica que lhe ajudaria a vencer o atual desafio. Como trazer essas qualidades — que você já tem! — para o momento presente?

A nossa tendência é sempre pensar no oposto: quando foi que deu errado igualzinho a agora? Quando foi que eu fui um idiota? Quando foi que eu me dei mal?

Tente uma perspectiva diferente, e descubra o que acontece.

**********

Leia também: O que ter um filho me ensinou sobre o medo.

 

O que um gari pode te ensinar sobre o trabalho

Depois desses anos trabalhando com o que amo e observando centenas de clientes fazendo o mesmo, descobri que todas as pessoas que trabalham com aquilo que nasceram pra fazer têm algumas crenças em comum.

Hoje eu quero falar de uma dessas crenças.

Caso você conheça alguma pessoa que é muito feliz no trabalho, pense nela e você vai entender do que eu estou falando. Mesmo que você não conheça ninguém que ama o que faz, você pode pensar em exemplos da televisão ou dos jornais. Por exemplo, você pode pensar naquele gari que todo fim de carnaval do Rio aparece na Globo varrendo a Sapucaí com o maior sorrisão no rosto e feliz da vida, o Renato Sorriso.

Qualquer exemplo serve.

Tanto o Renato Sorriso, quanto eu, quanto as pessoas que você conhece que são felizes no trabalho temos uma crença em comum: nós acreditamos que quem nós somos e o que nós fazemos é realmente importante.

Pode parecer simples, mas essa simples crença muda completamente a forma de você ver você mesmo no seu trabalho, e de ver cada coisa que você faz.

Gaste a sua energia essa semana acreditando que quem você é e o que você faz é realmente importante, e observe como a sua semana se desenrola.

Pra onde seu coração vai te levar?

Já faz mais de um mês que começou um ano novo, e a gente até finge que tem novas resoluções e tal, mas a verdade é que a gente está só tentando novas soluções para os mesmos velhos problemas. Que, provavelmente, têm acompanhado a gente desde muito antes do ano passado.

Talvez você não esteja feliz com a sua vida ou o seu trabalho atual. Talvez você esteja com aquela sensação de que nada faz sentido. De que você não está vivendo a vida que você gostaria, mas também você não sabe o que poderia fazer pra mudar isso.

Teresa d’Ávila dizia o seguinte: se você quer progredir no caminho e ascender para lugares que você  tem desejado, o importante não é pensar muito, mas sim amar muito, e portanto fazer qualquer coisa que acorde você pro amor. 

Basicamente, você encontra o seu caminho seguindo aquilo que faz você se sentir bem. No meu livro Escolha Sua Vida, eu falo que está acontecendo uma revolução silenciosa no mundo, um movimento de pessoas em busca de mais Propósito no trabalho e na vida.

Mas, no fundo, certo mesmo está Krishna Das, que pergunta: por que seguir aquilo que faz você se sentir bem parece um conceito tão revolucionário?

Por que a gente passa tanto tempo não fazendo o que a gente quer fazer e reclamando sobre o que a gente acaba fazendo?

E ele completa dizendo o seguinte: que se a gente seguir o nosso senso de bem estar, se a gente seguir o nosso coração e fizer o que deixa a gente feliz, isso vai levar a gente na direção certa.

E então, a pergunta mais importante que você pode se fazer nesse começo de ano é:

O que é que acorda você pro amor?

O que te deixa feliz? 

O mapa da sua jornada está aí.

Você é rico e não sabe (juro!)

O mestre espiritual Eckhart Tolle diz que quanto mais você se dá conta de que você tem espaço interno, mais feliz é a sua vida.

O legal sobre esse tal “espaço interno” é que ele é ultra democrático. Não existe bolha imobiliária do espaço interno. Rico não tem mais espaço interno do que pobre. Ninguém nasce sem espaço interno, ou com defeito no espaço interno.

Todo mundo tem o mesmo espaço interno. A única pegadinha do espaço interno é que a maioria das pessoas não sabem que ele existe, ou se esqueceu dele.

Como diz o Eckhart Tolle, é como se você fosse rico, mas tivesse esquecido o número da sua conta de banco. Seus milhões estão todos lá, mas você não consegue acessar a sua fortuna.

E agora, comofas?

Existem várias práticas que ajudam a gente a perceber – ou relembrar – essa sensação de espaço dentro da gente.

Pra mim, uma das coisas que mais me dá essa sensação de espaço – e, com ela, uma imensa clareza de pensamento – é destralhar coisas em casa.

A verdade é que a gente tem muito mais coisas do que precisa, e faz muito mais coisas do que deveria todos os dias. E vivemos estressados por causa disso.

Mas como começar a destralhar? Tem horas em que a bagunça está tão grande que a gente já se dá por derrotado antes mesmo de começar. É. Coisa. Demais!

A boa notícia é que a gente faz isso um minuto de cada vez. No momento presente. Que é o único que existe.

Não adianta você pensar em quanto tempo vai levar pra você destralhar tudo o que gostaria, porque esse futuro em que você está pensando é apenas um conceito: ele existe só na sua cabeça e, quando ele finalmente chegar, ele será…o momento presente. Tcharan!

Então, a hora de começar é sempre agora. E o seu compromisso deve ser sempre de destralhar por um minuto, no momento presente.

Com esse minuto, realizando apenas uma tarefa, você já cria um pouco de espaço vazio. Pode ser um espacinho bem pequenininho, tudo bem.

O importante é que, com esse espaço vazio, você começa a aprender mais sobre você, e também aprende a desapegar não só das coisas, mas também de muitas crenças e controlar o resultado de tudo na sua vida (o que, cá entre nós, só vai lhe causar estresse, a não ser que você seja Deus).

Se a sua casa está uma zona, ou se você tem muito mais coisa do que precisa, eu posso apostar que por dentro você também está uma zona, ou sobrecarregado de pensamentos desnecessários. Pode acreditar, não é o contrário.

E não importa o tamanho da sua bagunça – e do desafio que você vai ter pra conseguir dominá-la –, se você começar no momento presente, com apenas uma pequena tarefa, a sua vida muda.

Aquele pequeno espacinho que você cria na sua gaveta, ou em cima da sua mesa, pode significar você dormir melhor. Ou seu filho ficar mais tranquilo. Ou você ficar mais gentil. Ou pessoas começarem a ser mais gentis com você. Você encontrar uma nota de dez reais na rua. Surgir a resposta pra um dilema antigo que você tinha.

Essa semana, aproveite para destralhar pelo menos uma coisa na sua casa. Uma tarefa. No momento presente. Não se estressa pensando que você precisa destralhar a casa toda (e também a sua mesa no seu trabalho, aliás). Foca no momento presente.

Tudo pode acontecer quando você cria espaço vazio dentro de você. 

Até mesmo você encontrar você perdido lá dentro. 

Gostou? Você também vai gostar deste texto aqui.