Já faz mais de um mês que começou um ano novo, e a gente até finge que tem novas resoluções e tal, mas a verdade é que a gente está só tentando novas soluções para os mesmos velhos problemas. Que, provavelmente, têm acompanhado a gente desde muito antes do ano passado.

Talvez você não esteja feliz com a sua vida ou o seu trabalho atual. Talvez você esteja com aquela sensação de que nada faz sentido. De que você não está vivendo a vida que você gostaria, mas também você não sabe o que poderia fazer pra mudar isso.

Teresa d’Ávila dizia o seguinte: se você quer progredir no caminho e ascender para lugares que você  tem desejado, o importante não é pensar muito, mas sim amar muito, e portanto fazer qualquer coisa que acorde você pro amor. 

Basicamente, você encontra o seu caminho seguindo aquilo que faz você se sentir bem. No meu livro Escolha Sua Vida, eu falo que está acontecendo uma revolução silenciosa no mundo, um movimento de pessoas em busca de mais Propósito no trabalho e na vida.

Mas, no fundo, certo mesmo está Krishna Das, que pergunta: por que seguir aquilo que faz você se sentir bem parece um conceito tão revolucionário?

Por que a gente passa tanto tempo não fazendo o que a gente quer fazer e reclamando sobre o que a gente acaba fazendo?

E ele completa dizendo o seguinte: que se a gente seguir o nosso senso de bem estar, se a gente seguir o nosso coração e fizer o que deixa a gente feliz, isso vai levar a gente na direção certa.

E então, a pergunta mais importante que você pode se fazer nesse começo de ano é:

O que é que acorda você pro amor?

O que te deixa feliz? 

O mapa da sua jornada está aí.