A Páscoa passou, mas ainda é tempo de renascer, renovar. Deixar florescerem novas ideias, novos sonhos, novos planos e um novo eu.

Para que esse novo eu cheio de coisas boas possa nascer, precisamos também deixar morrer o que já desbotou, já deu o que tinha que dar.

Das coisas que precisamos deixar ir, a mais importante é o nosso passado. E, pra gente se libertar do passado, a gente precisa se perdoar e perdoar aos outros. Sei que nem sempre isso é fácil. Pelo contrário, na maioria das vezes é muito difícil. Talvez até mesmo tenha alguém na sua vida que você não quer perdoar.

Ainda assim, se declare disposto a perdoar. Mesmo que você ainda não consiga. A autora Louise Hay diz que “o simples fato de dizermos que estamos dispostos a perdoar dá início ao processo de cura”.

Muitas vezes, a nossa maior dificuldade é de perdoar a nós mesmos.

Se você está em um trabalho que não gosta, ou de qualquer outra forma vivendo uma vida sem Propósito, que não te traz alegria e satisfação, é muito provável que – ainda que em um nível inconsciente – você se culpe ou tenha raiva de você mesmo por permitir que isso aconteça.

Então, pra começar o seu processo de cura de si mesmo, proponho que você faça todos os dias a seguinte afirmação:

“Eu me perdôo por não estar vivendo, ainda, a vida que eu mereço. Ainda assim, eu me amo e me aceito.”

Faça as pazes com o seu passado.

É o único caminho pra construir um novo futuro.