Limites

Em 2011, me dei conta de que tinha um problema com meus próprios limites: eu não sabia muito bem quais eram e muito menos conseguia comunicá-los ao mundo exterior. E sem limites claros não existe o “eu”. E enquanto não existe um “eu” com limites claros do que somos e do que não somos, não tem como superarmos esses limites para praticar a arte da unificação com o mundo.

De um modo mais rasteiro, definir os nossos limites envolve ter a liberdade, coragem e naturalidade de dizer não quando queremos dizer não. E eu sempre tive uma grande dificuldade em dizer não. Ao ponto de me violentar, de fazer coisas contra a minha vontade, de passar por cima de mim mesma para fazer a vontade alheia.

Ainda sou aprendiz da arte de dizer não. Ainda estou identificando, com certa dificuldade e meio que na tentativa e erro (típica dos Sagitarianos) quais são os meus limites e o que eu não sou. Aprendi que quando dizemos não, o melhor na grande maioria das vezes é não justificar. Porque, quando a gente justifica, a gente abre espaço para o interlocutor questionar a nossa decisão, oferecer alternativas, insistir, julgar a nossa justificativa. Quem, como eu, tem dificuldade de dizer não, tem que aprender a dizer “não porque não”, não e ponto final.

Alguém mais tem dificuldade de saber ou impor os seus limites? De dizer não? Quem não tem dificuldades ou já teve e conseguiu superar: alguma dica boa?

O fim do mundo

Quando dizem que o mundo vai acabar em 2012, eu concordo. Não numa bola de fogo e fumaça, nem afogado em tsunamis ou lava de vulcões malucos. Mas o mundo que a gente conhece vai, sim, acabar. Talvez não seja em 2012 – quem dera! – mas em breve teremos um mundo diferente e quem resistir à mudança e se apegar ao passado vai se tornar dispensável e obsoleto.

O mundo vai acabar porque, a cada dia, mais e mais pessoas estão cansadas do mundo como ele é. Mais pessoas querem um mundo mais justo, mais sustentável, mais ético, mais simples. E cada vez mais pessoas estão parando pra pensar – ou repensar, no caso dos mais velhos – quem são, do que realmente gostam (e não do que foram convencidos a gostar), como querem viver, o que as faz felizes.

Os produtos e marcas que vendem/entregam status em vez de felicidade vão acabar. Os produtos e marcas que destroem a natureza desnecessariamente vão acabar. Tudo o que isola em vez de aproximar as pessoas vai acabar. Tudo o que destrói em vez de construir vai acabar.

No lugar disso tudo, vem aí um mundo diferente, com foco nos relacionamentos, na conexão maior das pessoas com a natureza, no uso racional dos recursos, na simplicidade.

Eu acho que vai ser um mundo bem melhor.

Bike – Onde andar e como?

Uma leitora mandou a seguinte dúvida: “não existe um consenso sobre o que é melhor quando não há pista para ciclistas: andar na rua, na calçada, na rua em sentido contrário, na rua no mesmo sentido dos carros, etc.”

A resposta, para nossa felicidade, está também no Código Nacional de Trânsito:

“Art. 58 – Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores.”

 

Ou seja: lugar de bike é, sim, na rua (e com preferência sobre os carros!). E a circulação é no sentido dos carros. Excepcionalmente, a circulação pode ser no sentido contrário ao fluxo (contra-mão) quando autorizado por autoridade de trânsito, mas só quando existir ciclofaixa. E, idealmente, o ciclista deve andar na pista da direita.Bikes não podem circular nas calçadas – lugar de pedestre! – a não ser que o ciclista esteja desmontado e empurrando a bike. Nesse caso, o ciclista se equipara ao pedestre e, por isso, pode circular nas calçadas.Como vocês podem ver, as dúvidas e confusões e desrespeitos frequentes acontecem muito mais por pura falta de conhecimento e educação no trânsito do que falta de regras. E conhecer as regras é o primeiro passo pra exigir o cumprimento. 😉

Bike – O que é obrigatório?

De acordo com o Código Nacional de Trânsito, são equipamentos obrigatórios da bicicleta: “a campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor do lado esquerdo.”

O capacete, por incrível que pareça, apesar de importantíssimo, não é obrigatório. O.o

Já liguei pro meu personal bike conserteitor e ele vem aqui daqui a pouco trazer tudo o que falta pra minha bike ficar 100% dentro da lei. O capacete, é claro, eu já tenho.

Bike – Primeiro passeio

Ontem tirei minha bike da garagem pela primeira vez em mais de seis meses. Antes mesmo de sair com ela na rua, consegui a proeza de arrancar um naco de pele do tornozelo – senhores, eu sequer tinha montado na bicicleta ainda. Essa sou eu, muito prazer. Bike pra mim ainda é sinônimo de perda de sangue, ainda que pouco.

Depois, um agradável passeio com um amigo até o MAM, durante o qual foquei toda a minha atenção em não cair na Baía de Guanabara quando conversamos emparelhados (uma das minhas dificuldades) e em não cair, de um modo geral. Porque, independente de ser na Baía ou não, não ia ser bonito de se ver.

Foi um passeio educativo. Percebi, na conversa com meu amigo, que mesmo ciclistas mais experientes como ele ainda têm dúvidas sobre regras e melhores práticas do ciclismo urbano. Então, inspirada no amigo e nessa minha reestréia sobre duas rodas, vou criar uma seção de perguntas freqüentes, mitos e realidades de bike por aqui. Se tiverem dúvidas, podem mandar pra inbox ou por comentário.Ah sim, e o mais importante da minha reestréia: sobrevivi.

Corrida – O meu mantra

Uma das coisas que me encantou logo que comecei a correr foi descobrir que muitos corredores tinham uma espécie de mantra que ajudava a vencer obstáculos e encarar melhor os desafios da corrida. Era o que eu precisava.

O mantra tanto pode ser voltar a sua atenção para um som repetido, como a sua respiração ou suas pegadas no chão, quanto pode ser uma frase que você repete na sua mente enquanto corre.

O meu mantra ficou sendo um que li numa matéria um dia: “a sua mente é o seu limite”. Acho perfeito praquelas horas em que a minha mente começa a fraquejar e me falar coisas desencorajadoras tipo “eu vou morreeeeeer”.

Outros mantras legais:

“A dor é inevitável. Sofrer é opcional”. (Haruki Murakami)

“Corra quando você puder, ande se tiver que andar, rasteje se for necessário, mas nunca desista.” (Ultramaratonista Dean Karnazes)

“Winners never quit, quitters never win”.

“A dor é temporária, desistir é pra sempre”.